Total de visualizações de página

sábado, 3 de setembro de 2016

CARTA AOS MAIS JOVENS

( Edmar Oliveira )


Meninas e meninos,
Eu só tinha treze anos de idade quando o pais iniciava o que hoje chamamos de Golpe Militar. Os livros de história contam uma truculência muito imediata, tanques nas ruas, cassado os direitos, prisões e torturas, assim de chofre, porque o tempo da história resume um período de meses ou anos, como se fosse um dia narrado em minutos. Mas a mudança veio mansamente. Desde quando João Goulart teve que assumir pela renúncia intempestiva de Jânio. Este já queria um golpe que não veio. Queriam impedir a posse de Jango. Brizola comandou uma resistência pela legalidade. Alteraram a constituição para forçar um parlamentarismo impedindo Jango de governar. As esquerdas propuseram um plebiscito para manter o regime parlamentarista ou voltar o presidencialismo. Mais de 80% do eleitorado exigiu o retorno dos poderes ao presidente. Jango quis implantar as Reformas de Base (reforma agrária, fiscal, educacional e urbana com mais poderes do estado e benefícios aos excluídos). A elite chiou, a mídia encampou uma campanha contra o governo batendo em duas teclas: corrupção e ameaça do comunismo. A classe média foi pra rua bater panelas em nome de Deus, da família e da propriedade.


Tá parecido com alguma coisa que vocês viram? Pois é, os coxinhas foram pra rua contra a corrupção do governo e contra a invasão da sua praia pelos comunistas, que naquele tempo não eram bolivarianos, mas antropófagos – ainda se acreditava que eles comiam criancinhas. Quando Jango prometeu radicalizar as reformas, no famoso Comício da Central, os tanques desceram das alterosas para o Rio, mas não deram um tiro. A classe média aplaudiu entusiasmada, a direita do parlamento declarou vaga a cadeira de Jango, com este ainda no Brasil. Castelo Branco tomou posse com trajes civis. Os golpistas chamaram o movimento de “revolucionário” (os meados do século XX foram palcos de revoluções pelo mundo, em nome da democracia). Prometeram entregar o poder aos civis nas próximas eleições, depois que prendessem os esquerdistas – inimigos da democracia. Na primeira eleição para governador, vários estados elegeram a oposição à direita que apoiava ao golpe. Aí se inventou um ato institucional, o de número 2 (o número 1 permitia alterar a constituição, os outros instalaram um regime de exceção e terror). Esse AI-2 eliminava as eleições diretas e autorizava as eleições indiretas. O AI-5, aquele do “às favas todos os escrúpulos”, escancarou a ditadura em 1968. Portanto, eles chegaram devagar e prometendo acabar a corrupção e com a ameaça comunista em nome da democracia. Foram ficando por vinte anos de trevas, com os porões cheio dos cadáveres de opositores. Fizeram dezessete atos institucionais para a consolidação do golpe. 

Um velho barbudo já disse que a história se repete como farsa. Os tempos são outros, não existe mais o fascínio por revoluções. Nem se precisa mais da força bruta dos militares e dos seus atos institucionais. Hoje se mutila a constituição por emendas. Nem ainda fez trinta anos, a nossa constituição já tem quase cem emendas. Para termos de comparação, a constituição dos EEUU, com seus sete artigos, ao longo de duzentos e trinta anos só teve vinte e sete emendas, todas preocupadas em ampliar direitos individuais em função da modernidade (a constituição deles é do século XVIII).

Os golpistas tiraram a presidenta eleita para ficarem apenas dois anos no poder? Como diziam no tempo em que eu tinha treze anos, morde aqui pra ver se eu acredito! Tem muita água pela frente. E quando se macula uma constituição, por menor que seja a mácula, outras maiores virão. O congresso que temos, temo mais que ao próprio Temer.

E não adianta gritar por eleições gerais sem uma reforma política exclusiva. Os canalhas parlamentares são capazes de inviabilizar esse país para atender os reclamos da elite, desde que suas burras sejam recheadas. Bem pagos fazem o serviço sujo. Na farsa comprometemos o futuro desta nação.

É preciso a indignação nas ruas. Já. Só há dois lados: golpistas e legalistas. Quaisquer outras diferenças, que as eleições municipais tentam nos desviar dessa dualidade, é burra. É a democracia que está em jogo. Não está na hora de divisões à esquerda. A direita marcha unida e vence com facilidade as nossas forças cansadas das batalhas entre nós.

Nenhum comentário:

Postar um comentário