Total de visualizações de página

sábado, 25 de junho de 2011

Minimamente Feliz (Leila Ferreira, jornalista * )



A felicidade é a soma das pequenas felicidades. Li essa frase num outdoor em Paris e soube, naquele momento, que meu conceito de felicidade tinha acabado de mudar. Eu já suspeitava que a felicidade com letras maiúsculas não existia, mas dava a ela o benefício da dúvida.
Afinal, desde que nos entendemos por gente aprendemos a sonhar com essa felicidade no superlativo. Mas ali, vendo aquele outdoor estrategicamente colocado no meio do meu caminho (que de certa forma coincidia com o meio da minha trajetória de vida), tive certeza de que a felicidade, ao contrário do que nos ensinaram os contos de fadas e os filmes de Hollywood, não é um estado mágico e duradouro.
Na vida real, o que existe é uma felicidade homeopática, distribuída em conta-gotas. Um pôr-de-sol aqui, um beijo ali, uma xícara de café recém-coado, um livro que a gente não consegue fechar, um homem que nos faz sonhar, uma amiga que nos faz rir. São situações e momentos que vamos empilhando com o cuidado e a delicadeza que merecem alegrias de pequeno e médio porte e até grandes (ainda que fugazes) alegrias.
'Eu contabilizo tudo de bom que me aparece', sou adepta da felicidade homeopática. 'Se o zíper daquele vestido que eu adoro volta a fechar (ufa!) ou se pego um congestionamento muito menor do que eu esperava, tenho consciência de que são momentos de felicidade e vivo cada segundo.
Alguns crescem esperando a felicidade com maiúsculas e na primeira pessoa do plural: 'Eu me imaginava sempre com um homem lindo do lado, dizendo que me amava e me levando pra lugares mágicos Agora, se descobre que dá pra ser feliz no singular:
'Quando estou na estrada dirigindo e ouvindo as músicas que eu amo, é um momento de pura felicidade. Olho a paisagem, canto, sinto um bem-estar indescritível'.
Uma empresária que conheci recentemente me contou que estava falando e rindo sozinha quando o marido chegou em casa. Assustado, ele perguntou com quem ela estava conversando: 'Comigo mesma', respondeu. 'Adoro conversar com pessoas inteligentes'
.
Criada para viver grandes momentos, grandes amores e aquela felicidade dos filmes, a empresária trocou os roteiros fantasiosos por prazeres mais simples e aprendeu duas lições básicas: que podemos viver momentos ótimos mesmo não estando acompanhadas e que não tem sentido esperar até que um fato mágico nos faça felizes.

Esperar para ser feliz, aliás, é um esporte que abandonei há tempos. E faz parte da minha 'dieta de felicidade' o uso moderadíssimo da palavra 'quando'.
Aquela história de 'quando eu ganhar na Mega Sena', 'quando eu me casar', 'quando tiver filhos', 'quando meus filhos crescerem', 'quando eu tiver um emprego fabuloso' ou 'quando encontrar um homem que me mereça', tudo isso serve apenas para nos distrair e nos fazer esquecer da felicidade de hoje. Esperar o príncipe encantado, por exemplo, tem coisa mais sem sentido? Mesmo porque quase sempre os súditos são mais interessantes do que os príncipes; ou você acha que a Camilla Parker-Bowles está mais bem servida do que a Victoria Beckham?
Como tantos já disseram tantas vezes, aproveitem o momento, amigos. E quem for ruim de contas recorra à calculadora para ir somando as pequenas felicidades.

Podem até dizer que nos falta ambição, que essa soma de pequenas alegrias é uma operação matemática muito modesta para os nossos tempos. Que digam.

Melhor ser minimamente feliz várias vezes por dia do que viver eternamente em compasso de espera.
* Leila Ferreira é uma jornalista mineira com mestrado em Letras e doutora em Comunicação, em Londres.

Fotopoema


Artigo lindíssimo do meu amigo Edmar


Vai dar nos gostos ( Edmar Oliveira)

Acontece com todos nós que moramos fora do Piauí. Quando passamos uns dias por lá, a parentada nos presenteia na volta com um jacá de pedaços dos sabores da terra: carne-de-sol, bacuri, buriti, rapadura, cajuína, pequi, paçoca, doce-de-jaca, bolo frito, peta, cachaça mangueira (outro dia ganhei a Lira de Amarante, que é uma delícia), arroz de capote, bode guisado, capão cheio, linguiça da terra, panelada, mão de vaca e outros quitutes que terminam sobrando por não caberem no jacá. Acho que a intenção é conservar os gostos da terra dentro de nós. São pedaços do Piauí que nos acompanham por um bom tempo, que quando acabam fazem a saudade nos carregar de volta à terrinha.
E na culinária carregamos um sotaque, que nos distingue completamente dos conterrâneos de outras regiões da nação nordestina. Quem já provou bolo frito com café preto sabe do que estou falando. A nossa canjica, de consistência endurecida que se amolece no corte da faca e pode ser comida a colheradas, com um sabor sensual da canela em cima, não se parece com nenhuma outra do mesmo nome e de outros sabores. Talvez só se possa comparar a consistência da nossa canjica com os seios firmes, que balançam ao caminhar, das nossas caboclas. E a peta não se parece em nada com os biscoitos de polvilho, que lhe imita na forma, mas jamais no sabor. A exótica combinação do mocotó do boi às suas vísceras faz da nossa panelada uma delícia que não se compara à tripa lombeira ou ao mocotó, encontrados nos botequins aqui do Rio e São Paulo. A panelada é a essência do sabor do sertão. Certa feita fiz uma recepção piauiseira aos meus amigos aqui em baixo do equador. E mandei importar da Filha do Sol uma panelada para os conterrâneos e um arroz-de-capote para o paladar mais refinado dos cariocas. O que não sobrou foi a panelada. E não faltaram os elogios para o sabor “exótico” do arroz com pequi. O doce de bacuri e a cajuína marcam a identidade dos piauiseiros.
Mas se com a globalização dos nossos produtos podemos matar a saudade de alguns deles na Feira de São Cristóvão, dois ingredientes nos falta para uma reprodução do nosso sabor: a pimenta de cheiro e o coentro. Sei, vão lá me dizer que o coentro se encontra em toda parte e se pode achar pimenta de cheiro em algumas feiras livres nas ruas do Rio. Mas não com o mesmo gosto! Quem é da terra sabe o significado da expressão “vai dar nos gostos”. É disso que se trata. Nosso coentro (o cheiro-verde do mercado Mafuá ou da Piçarra) e a nossa pimenta de cheiro têm um sabor orgástico, que não se encontra nos genéricos no Brasil afora. Deve ser fruto da germinação na terra quente com a inclemência do sol. 
E são dois produtos perecíveis de difícil conservação. No congelador perdem o sabor (já tentei e desaconselho). E sem os dois não há sabor do Piauí na nossa culinária. Mas se pra tudo tem jeito, menos a morte, apresento uma receita simples, que aprendi com um piauiense candango (Brasília tem a maior concentração de piauienses fora de casa), que é muito fácil e dura uns bons seis meses.
Da próxima vez que você voltar ao Piauí não se esqueça de trazer na bagagem o nosso cheiro verde e a pimenta de cheiro. Junte os dois no liquidificador com sal e alho (pode ser sal com alho já pronto, mas acrescente mais alho), bote algum cominho e pimenta do reino, um pouco de vinagre (acrescente vagarosamente para manter a consistência da canjica) e ponha uns dois dedos de azeite para ajudar o vinagre na conserva. Bata bem e acondicione num vidro com tampa conservado em geladeira (não precisa ir ao congelador). Pronto. Quando for fazer frango, carne ou peixe esfregue a mistura verde com o sabor da terra em conserva e sua comida vai parecer ter sido feita com o tempero da mamãe. E a saudade da terra pode aumentar. Mas “vai dar nos gostos”, com se diz de uma boa trepada.     






Aconteceu em Teresina


Morro do Urubu
antes da "esperança taiada"


Foto da Semana




Poemartemanhas

Sensual

Raimundo Santana


Se tu me estreitas no febril regaço
E dá-me beijos com teu lábio ardente,
Sinto no peito a sede de outro abraço,
A sede de outro beijo o lábio sente.

Se no teu corpo a mão nervosa passo
Buscando o níveo róseo seio quente,
Prender-me junto a ti sinto o teu braço
Que me entrelaça como uma serpente.

E assim ficamos, um ao outro presos,
Mas de repente, trêmulos de medo,
Nos separamos quase indignados,

Tu, branca e pálida, os cabelos soltos,
Nos ombros teus caídos e revoltos
E os lábios meus de beijos perfumados






Filosofando

Não sou contra o progresso
Mas apelo pro bom senso
Um erro não conserta o outro
Isso é o que eu penso    (Roberto Carlos)





Para Relaxar

video

sábado, 18 de junho de 2011

UBUNTU


A filósofa Lia Diskin, no Festival Mundial da Paz, em Floripa (2006),

nos presenteou com um caso de uma tribo na África chamada Ubuntu.
Ela  contou que um antropólogo estava estudando os usos e costumes da tribo e,

quando  terminou seu trabalho, teve que esperar pelo transporte que o levaria
até o aeroporto de volta pra casa. Sobrava muito tempo, mas ele não queria catequizar os membros da tribo; então, propôs uma brincadeira pras crianças, que achou ser inofensiva.
Comprou uma porção de doces e guloseimas na cidade, botou tudo num cesto
bem bonito com laço de fita e tudo e colocou debaixo de uma árvore.
Aí ele  chamou as crianças e combinou que quando ele dissesse "já!",
elas deveriam sair correndo até o cesto, e a que chegasse primeiro ganharia
todos os doces que estavam lá dentro.
As crianças se posicionaram na linha demarcatória que ele desenhou no chão
e esperaram pelo sinal combinado. Quando ele disse "Já!", instantaneamente
todas   as crianças se deram as mãos e saíram correndo em direção à árvore com o cesto.
Chegando lá, começaram a distribuir os doces entre si e a comerem felizes.
O antropólogo foi ao encontro delas e perguntou porque elas tinham ido todas juntas
se uma só poderia ficar com tudo que havia no cesto e, assim, ganhar muito mais doces.
Elas simplesmente responderam:
"Ubuntu, tio. Como uma de nós  poderia ficar feliz se todas as outras estivessem tristes?"

Ele ficou desconcertado! Meses e meses trabalhando nisso, estudando a tribo,

e ainda  não havia compreendido, de verdade,a essência daquele povo.
Ou jamais teria proposto uma competição, certo?
Ubuntu significa: "Sou quem sou, porque somos todos nós!"
Atente para o detalhe: porque SOMOS, não pelo que temos...

_________________________________________________________________________


Fotopoema






Foto da Semana



Acontecendo em Teresina

Teresina exige o uso da faixa de pedestre, mas não dá condições razoáveis e seguras para quem,
por ventura, dela possa precisar. A maioria está mal sinalizada e com pinturas apagadas. As faixas deveriam ter semáforos, inclusive com sinais sonoros, facilitando o inexorável trânsito.
A todo momento acontecem acidentes devido à péssima sinalização dessas faixas.



Poemartemanhas

REVELAÇÃO     ( Naeno)

Tão só,
A tua beleza fulgura entre todas
De longe escuto o teu nome
Calado dentro de mim
Como o seu palpitar
Que me afiança estar vivo
Pleno com a capacidade de amar-te.
Tão só,
O teu jeito, o teu riso
Entre as bocas adornadas de carmim
E tu dentro de mim
Como um órgão vital
Tu, a bela tão desigual.
Tão só,
Eu, que vou querer-te sempre
Como se afina, como se anima
A minha vida por já saber
Que esta será sempre a minha sina
Amar-te, tão distante de mim.

Naeno*comreservas"







Filosofando

"Tudo o que não invento é falso".Manoel de Barros


Poemartemanhas 2


Ranieri Ribas

TERESINA, BÊBEDA BLUES

Teresina
Por que me deste esta herança?
Vila da paz, Irmã Dulce, Itararé
Poty Velho, Monte Castelo e Santa-Fé.
Por que me deste?
Esta luz infusa e ferina
E o crepúsculo em ti escarlatina
Teresina, assim cega de sol.

Tristeresina, “cidade verde”.
Tens as pupilas baldias
és cinza e celeste azulíssima
grisazul, sem mar nem brisa
és uma estufa abafadiça
sombra, suor e preguiça.

eu sei, Teresina.
Nada ainda te resigna:
Queres alcançar o mar,
Mercadejar buganvílias
Semear edifícios, eucaliptos
Queres do boi a autoria
Resfriar seu clima em quinze centígrados.

Mas estás em sesta eterna.
Ao meio-dia, suas ruas entoam elegias
Ouvimos o ranger das redes em que cochilas

Teresina, imperatriz do tédio
A madrugada nos convida
por mil cabarés serás invadida
Serás dos homens cafetina.
Oh, Teresa Cristina
E juntos ergueremos um busto a Beth Cuzcuz.
Não recuse.
Um busto a musa em praça pública.
Eu direi: raimundinha, meia-nove, mói-de-vara
socorrona, ronya, roxa,
rancho e o que valha.

E quando o sol nascer
seu amanhecer de ressaca, Teresina
uma panelada no mercado da Piçarra.

Teresina, vês:
Programas de TV
socialytes e viados
apresentadores debochados
Playboys obesos.



Teresina
Você sabe com quem está falando?
Um velho barrigudo com Hilux e tudo
Filho do prefeito do cu-do-mundo
primo do desembargador
serás eternamente esta merda,
terra de rastaqüeras?

Teresina,
Dançávamos reggae na Tabuleta
Mangueirão com Senzala
Eras o reggaeiro mala
Dançávamos canivete e bala
Levados ao embalo da morte.
E morreste.

Teresina
de tudo isso herdaste apenas
a fedentina, a micarina, a fuleragem e a estupidez.
Estás obesa, tens as veias entupidas de carros e buzinas.
Seus rios serão rios de cerveja e urina.

Teresina
sou um homem branco, cabelo liso.
Trate-me bem!
tenho um carro do ano, pose de rico.
mas, há sempre alguém
querendo alguma sinecura.
Teresina. Eu darei.
Serei empregado público concursado, eleito, engravatado, deputado, tributável, bacharel.
Carro financiado, direi que todo mundo é viado!
Artista, bêbado, menestrel

Teresina
Sesmaria entre o Poty e o Parnaíba
Não parirás outras raparigas
como as catirobas do itararé.
Cunhã, catreva, vadia, gato-réi
cabelo na prancha e piercing reluzente
buscando caras brancos com cara de zona leste
carro rebaixado, som alto, forró e Chiclete.

Teresina sua sina assim me deste:
Algazarras no sábado, cerveja gelada e cigarro US
Transcol, sol escaldante, parada lotada
Ambulantes e coquetes.
Serás sempre esta capitania
Península, encabulada,
insulada do mundo, servil e acaboclada
Filha bastarda de Conselheiro Saraiva
Subjugada por coronéis?

Teresa Cristina
estas ruas sem árvore nem vida
em setembro
as costelas secas do Parnaíba
exibem suas coroas ressequidas
areia, ferro e ruínas

Teresa Cristina
Imperatriz rediviva
Viverás para sempre esta tertúlia infinita
Para aplacar o tédio que a tantaliza?

Teresina: “seja bem-vindo”.
motéis a dez reais.

Mandarina longínqua
Teresa prístina
sua história é uma porta de saída
não olharás para trás.
Serás, cruel, maligna, destrutiva
Em cada casa demolida
Fingindo não ser mera província
Nordestina Miami mínima
Futuríssima Teresina
cidade sem caráter.


Divulgação

domingo, 12 de junho de 2011

O kit anti-corrupção - Maria Helena Rubinato Rodrigues de Sousa

O mais necessário deles, nunca foi mencionado. Para a quase totalidade da população brasileira, seria o único kit a resolver nossos problemas. Certamente prejudicaria a ínfima parcela que impede sua confecção, mas isso não nos impede de perguntar: cadê o kit anti-corrupção?
Deveria ser confeccionado urgentemente, em vários tipos, para ser distribuído nas creches, jardins, escolas, colégios, universidades e repartições públicas.

Para começar, deveríamos trocar o nome do estojo de material de ensino: kit, se me permitem a sinceridade, é a mãe. O português, língua falada por mais de 240 milhões de pessoas em todo o mundo, com cerca de 228 500 entradas, 376 500 acepções, 415 500 sinônimos, 26 400 antônimos e 57 000 palavras arcaicas, é lexicamente muito rico e não precisa dessas três letrinhas estrangeiras para nominar um estojo (Dicionário Houaiss da Língua Portuguesa).
O material traria explicações sobre os males da corrupção. Naturalmente, tudo de acordo com a idade do usuário. Fichas com o verbete corrupção e seus significados, para que a palavra não fosse usada assim à toa, sem que seu sentido ficasse bem claro na mente de quem fala ou ouve.
Deveria deixar bem claro que corruptor e corrupto são farinha do mesmo saco. O que os distingue é a posição que ocupam, que é intercambiável: um vende, outro compra; um suborna, outro se deixa subornar; um estraga, outro se deixa estragar; um contamina quem toca, outro se deixa contaminar.
Muitas vezes as palavras, de tão usadas, perdem seu impacto e acabam sendo empregadas de modo ligeiro, sem que seu real sentido penetre em nossa mente: um corrupto é um corrompido que corrompe outra pessoa que se deixa corromper e, portanto, passa a ser corrompida ela também.
O estojo se destinaria a interromper esse toma lá dá cá e faria com que as crianças crescessem com um solene preconceito contra corruptos, de qualquer tipo e feitio.
E antes que a palavra preconceito cause chiliques em quem a usa sem nem sequer se dar ao trabalho de apreender seu significado, esclareço que ter preconceito contra corruptos e corruptores é sinal de sanidade mental e mais, de entranhado amor à Pátria.
Devemos, sim, ter preconceito contra o espetáculo da miséria feia, suja, monstruosa, que debilita crianças em formação e nos torna uma nação doente; contra o analfabetismo, terreno fértil que nem precisa de adubo para que ali brote o espetáculo da sordidez mais vil: o excesso indecente para a minoria e a escassez quase absoluta para grande parte da maioria.
O todo filho dileto da corrupção
Um brasileirinho com fome, em 2011, primeiro ano da segunda década do século XXI

______________________________________________________________________


Acontecendo em Teresina


Pergunta que não quer calar: por onde andará o velinho que dormia na praça, depois que o Salipi instalou-se ali
?

Fotopoema



Foto da Semana




Poemartemanhas

Mensagem - análise do poema "D. Sebastião"

Louco, sim, louco, porque quis grandeza
Qual a Sorte a não dá.
Não coube em mim minha certeza;
Por isso onde o areal está
Ficou meu ser que houve, não o que há.

Minha loucura, outros que me a tomem
Com o que nela ia.
Sem a loucura que é o homem
Mais que a besta sadia,
Cadáver adiado que procria?
Fernando Pessoa


Filosofando

“Ser feliz significa ser auto-suficiente” Aristóteles


quarta-feira, 8 de junho de 2011

Vaidade - Herbet Viana


O mundo pirou, enlouqueceu. Hoje, Deus é auto-imagem. Religião é dieta. Fé, só na estética. Ritual é malhação. Amor é cafona, sinceridade é careta, pudor é ridículo, sentimento é bobagem. Gordura é pecado mortal.ruga é contravenção.roubar pode, envelhecer, não.estria é caso de polícia. Celulite é falta de educação. Filho-da-puta bem sucedido é exemplo de sucesso. A máxima moderna é uma só: pagando bem, que mal tem? A sociedade consumidora, a que tem dinheiro, a que produz não pensa em mais nada além da imagem, imagem, imagem.

conceito, estética, medidas, beleza. Nada mais importa. Não importam os sentimentos, não importa a cultura, o relacionamento, a amizade, a ajuda, nada mais importa. Não importa o outro, a volta, o coletivo. Jovens não têm mais fé, nem idealismo, nem posição política. Adultos perdem o senso em busca da juventude fabricada. Ok, eu também quero me sentir bem, quero caber nas roupas, quero ficar legal, quero caminhar, correr, viver muito, ter uma aparência legal, mas.. uma sociedade de adolescentes anoréxicas e bulímicas, de jovens lipoaspirados, turbinados aos vinte anos não é natural. Não é, não pode ser.

( trecho do artigo “Vaidade”, de Herbert Viana ) 

Acontecendo em Teresina

Salipi - Programação











_____________________________________________________________________________


Livro de Paulo Tabatinga
Na Toccata - Salipi




____________________________________________________________________________



Cicero Manoel - Exposição em Fortaleza





__________________________________________________________

Foto da Semana



____________________________________________________________________

Fotopoema




_____________________________________________________________________


Poemartemanhas

“QUERO O LIRISMO DOS LOUCOS
O LIRISMO DOS BÊBADOS
O LIRISMO DIFÍCIL E PUGENTE DOS BÊBADOS
O LIRISMO DOS CLOWNS SHAKESPIERE
- NÃO QUERO MAIS SABER DO LIRISMO QUE NÃO É LIBERTAÇÃO”.
                               
                                                             Manuel Bandeira

_____________________________________________________


Filosofando

Somente entre os tolos é que os sábios são destituídos de sabedoria.   Sócrates

_____________________________________________________

Quem ama a leitura
tem nas mãos as chaves do mundo .  Rubens Alves




quarta-feira, 1 de junho de 2011

sessentinha - Edmar Oliveira

.
Confesso: me fudi. Entrei no involuntário grupo da terceira idade, que só a ironia deslavada chama de melhor idade. E não há retorno possível. Portanto, relaxe e goza (se ainda for possível!)

Sabe quando os meninos começam a te chamar de tio? Aí você está entre os quarentas e cinqüentas primaveras. Foi doloroso, mas não imaginava nada pior. Veio “senhor”. Esse “senhor”, dito de forma imprópria, no teu perceber, soa alguma gozação, troça, pilheria de mau gosto. E você vai ficar com saudades de quando te chamavam de tio.

Outro dia encontrei com um amigo cineasta na anti-sala de exames de um laboratório. Não me contive: antes a gente se encontrava num bar, agora é aqui. E falamos, despudorozamente, de taxas de glicose, colesterol e do indefectível PSA, que nos lembra que tudo começou numa dedada há uma década.  

Se antes a gente separava uma quantia em dinheiro para ultrapassar, vez por outras, os chopes da rotina, hoje a reserva é para os medicamentos de uso contínuo, que só vão desaparecer do nosso convívio quando desaparecermos da face da terra. E eu compro tanto remédios, que já me deram, de brinde, uma caixinha com os dias da semana para guardar os remédios. Porque já com essa idade a gente costuma esquecer se já tomou o remédio de hoje. E corre o risco de não tomar o remédio, por esquecimento, fazendo a pressão subir e ficar exposto a um derrame; ou, tanto faz, tomar em dose dupla, também por esquecimento, e ter uma isquemia cerebral.

E, por essa idade, se você for a um médico, por qualquer bobagem, uma gripe, uma gastrite, recebe, como bônus pela a idade, uma bateria de exames em que vão aparecer problemas sérios. Isto é, aqui é possível você não sentindo nada descobrir que é um doente grave. Por isso eu corro de médicos como o diabo da cruz. Quem procura, acha, já nos dizia o dito popular.

Mas para tantas desgraças é preciso uma compensação. E tem? A gente pode fazer as contas de quanto já trabalhou e providenciar a aposentadoria. Confesso que fiz as minhas e já sobra tempo e ainda tenho meio ano de licença prêmio pra tirar. Isso é bom. Se a gente tiver o que fazer. Pois não fazer nada é meio insuportável. Portanto estou fazendo uns planos para ocupar o tempo de não fazer nada para entrar com o pedido de “basta, tô velho!”, em reconhecimento da situação que você pensava “nunca iria chegar”.

A minha passagem para a terceira idade foi no dia 11 de maio. Mas ela já tinha acontecido um pouco antes. Sabe quando caiu a ficha? A bonita recepcionista do banco sorriu pra mim e eu, todo prosa, também ensaiei  um sorriso re retribuição. A belezura me deu uma ficha de fila preferencial para que eu fosse atendido. Doeu.

desenho luxuoso de Gervásio Castro

Acontecendo em Teresina

SALIPI
Falta pouco para o 9º Salão do Livro do Piauí e 14ª edição do Seminário Língua Viva, que ocorre de 5 a 12 de junho no Complexo Cultural da Praça Pedro II. A abertura, que contará com palestra do escritor e historiador Laurentino Gomes, será no domingo (05) às 18h30 no auditório do Clube dos Diários.

Este ano, o Salipi homenageia o professor, escritor e acadêmico da APL, Raimundo Santana. O evento lembra ainda o centenário de nascimento de Dinah Silveira de Queiroz, o centenário de nascimento de Nelson Cavaquinho e o escritor Moacir Scliar (in memoriam).

Além da abertura, que contará com a presença de Laurentino Gomes, a programação conta ainda com Guilherme Fiúza, João Gilberto Noll, (foto), Ana Paula Maia e José Carlos Capinan. Na quinta, 10, a noite será internacional, com palestra do cubano Alpidio Alonso-Grau. Os piauienses também são destaque no Salipi, com palestras de Assis Brasil, Douglas Machado e Gustavo Said.

Para Feliciano Bezerra, um dos coordenadores do evento, o público poderá conferir uma programação de muita dança, música popular, poesia, lançamentos e tudo mais que educa e diverte. “Tudo que é tradição no Salipi será mantido”, afirma, lembrando que a expectativa de público este ano é de quase 200 mil pessoas.

"O que você não encontra nas livrarias, você encontra no Salão, que tem opções, tem produtos para todos os gostos”, garante Luiz Romero, presidente da Fundação Quixote, entidade responsável pelo Salipi.

O encerramento do Salão, dia 12 de junho às 18h30, será ao som de dois gigantes da música piauiense: Validuaté e Valor de PI.
 encerramento do Salão, dia 12 de junho às 18h30, será ao som de dois gigantes da música piauiense: Validuaté e Valor de PI.

Fonte: Portal AZ
_________________________________________________________________________________

Aproveitando a onda do Salipi
Paulo Tabatinga fará o lançamento do Livro Somente Para Bêbado,
isto é, se a praça estiver, pelo menos um pouco, embriagada.
_________________________________________________________________________________


Convite de Lançamento
Livro Von Meduna de Edmar Oliveira
Local: Clube dos Diários
Dia: 12/06  Hora: 15h - SALIPI

a incrível história devon Medunae a Filha do Sol do equador


Do mesmo autor de “Ouvindo Vozes”. Enquanto no livro anterior os porões da Foto da Semanasiquiatria brasileira foram abordados através das “histórias do Engenho de Dentro e lendas do Encantado”, recuperando para a vida pessoas soterradas na continuação do primeiro hospício do Brasil, no Rio de Janeiro, neste livro o autor “invenciona” a história de von Meduna no seu caso de amor à terra “Filha do Sol do Equador”.
Participante da Reforma Psiquiátrica que se instala em Teresina, como consultor, o autor, radicado no Rio de Janeiro, mas apaixonado por sua terra natal, mergulha na história da Psiquiatria no Piauí, se envolve emocionalmente com as aventuras dos loucos de sua infância, e apresenta um painel apaixonado de histórias da psiquiatria piauiense, da implantação de um modelo comunitário de assistência que se propõe substituir a internação psiquiátrica.
Não é um livro técnico, mas um romancear de quem toma partido contra uma psiquiatria repressiva que deve ser atacada no campo dos direitos humanos. Um livro para ser discutido por estudantes, profissionais, usuários, familiares, enfim, por toda à sociedade a quem é proposta von Meduna e a loucura do sertão
.
E como o modelo que foi combatido, o hospício, é o mesmo em qualquer lugar do planeta, não é um livro sobre o que acontece no Piauí, mas sobre o que faz a psiquiatria em todos os hospícios de qualquer cidade do Brasil e um elogio à forma de acontecer a Reforma Psiquiátrica, prática em saúde mental que vem substituindo o antigo manicômio em todo o país


Foto Da Semana


Fotopoema



Poemartemanhas


                          “Sensation”.   Rimbaud
Par les beaux soirs d’été, j’irai dans les sentiers
Picoté par les blés, fouler l’herbe menue:
Rêveur, j’en sentirai la fraîcheur à mes pieds:
Je laisserai le vent baigner ma tête nue.
Je ne parlerai pas, je ne penserai rien…Mais un amour immense entrera dans mon âme,
Et, j’irai loin, bien loin; comme un bohémien
Par la Nature, — heureux comme avec une femme!
(1870)
oooo0000oooo
Nas belas tardes de verão, pelas estradas irei,
Roçando os trigais, pisando a relva miúda:
Sonhador, a meus pés seu frescor sentirei:
E o vento banhando-me a cabeça desnuda.
Nada falarei, não pensarei em nada:
Mas um amor imenso me irá envolver,
E irei longe, bem longe, a alma despreocupada,
Pela Natureza — feliz como com uma mulher.

Filosofando
“ Eu poderia cantar uma canção e vou cantá-la, embora esteja sozinho numa casa vazia e tenha de cantá-la para meus próprios ouvidos”    Nietzsche


Para Relaxar

SABEDORIA MILENAR DO KUNG FU GAFANHOTO  -  MESTRE, POR QUE ANTES DO SEXO CADA UM AJUDA O OUTRO A FICAR NU,  E DEPOIS DO SEXO CADA UM SE VESTE SOZINHO?!

MESTRE  -   PEQUENO GAFANHOTO,  NA VIDA NINGUÉM TE AJUDA DEPOIS QUE VOCÊ ESTÁ FODIDO!